0

Love is easy .

“Como de costume, em vez de ir almoçar, fui para uma biblioteca perto da empresa onde trabalho.
Era uma tarde com uma garoa fina, quase imperceptível, em São Paulo , cidade da garoa , não é mesmo ?
C
heguei lá, escolhi um romance qualquer só pra relaxar e sentei num cantinho.
Meu pensamento ia longe na história mas não estava me interessando muito, acredito que já enjoei desses romances clichês onde tudo dá errado a história inteira e no fim, do nada, tudo da certo.
Por isso, resolvi observar as pessoas ao meu redor… Uma garotinha aparentemente inteligente com vários livros de física, outra apaixonada por poesia, sério, ela estava com vários livros de poesia, ia de Mário Quintana até Paulo Leminski.
Mas um casal em especial me chamou a atenção, um rapaz de uns trinta e poucos anos, magro e atencioso lia Machado de Assis para uma menina, de sei lá, uns vinte anos no máximo, um olhar fixo e com uma delicadeza imensa enquanto segurava na mão do rapaz. Em todo o momento que ele lia para ela, ele pausava a leitura e perguntava se ela estava bem e se havia entendido o que ele acabava de ler. Ela sorria docemente e dizia “Estou bem, melhor impossível. Muito obrigada.”
Engraçado que, sempre que haviam essas pausas, ela agradecia por ele estar fazendo aquilo para ela.
Estranhei mas continue a observar, quando de repente ela disse a ele “Pode ter certeza, quando eu aprender a ler em braille vou ler algumas coisas para você. Você se sentirá especial, da mesma maneira como tem feito comigo.” Ele sorriu e passou a mão no rosto dela.
Pois bem, esse sim seria um romance perfeito para eu querer ler e reler.”

Alice Bachiega.